Classificação de investidores pela CVM

Além da classificação dos investidores por perfil do investidor temos também a classificação de investidor da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), esta aplicasse a pessoas físicas e Jurídicas que possuem aplicações financeiras em valores iguais ou superiores a R$ 1 milhão e que atestem essa condição por escrito, ou que possuam alguma certificação que a CVM aceite para fins de consideração de investidor qualificado.

Essa classificação é usada para designar aqueles investidores que possuem uma elevada quantia em investimentos e que detêm conhecimentos adequados sobre investimentos financeiros e os riscos envolvidos.

De acordo com a instrução 539 da CVM são duas as figuras de investidores, o Investidor qualificado e o Investidor profissional.

O principal objetivo dessa classificação em grupos é proteger o investidor de riscos desproporcionais à sua capacidade financeira.

A seguir, você vai entender em detalhes quem são estas figuras.

 

O que é um investidor qualificado?

O investidor qualificado é a pessoa física ou jurídica que possui mais de R$ 1.000.000,00 em investimentos no mercado financeiro e que ateste essa condição por escrito.

É importante lembrar que também são considerados investidores qualificados:

  • Investidores profissionais
  • as pessoas naturais que tenham sido aprovadas em exames de qualificação técnica ou possuam certificações aprovadas pela CVM como requisitos para o registro de agentes autônomos de investimento, administradores de carteira, analistas e consultores de valores mobiliários, em relação a seus recursos próprios Clubes de investimento, contanto que sua carteira seja gerida por um ou mais cotistas que sejam investidores qualificados.

Assim, um investidor pode se tornar qualificado mesmo que não tenha um milhão de reais aplicados, através da aprovação em algum exame de certificação aceito pela CVM que conceda esse status, de forma a garantir que o investidor possua, de fato, a compreensão técnica e financeira sobre os investimentos mais restritos do mercado.

Como se tornar um investidor qualificado?

Se você deseja se tornar um investidor qualificado, veja abaixo os dois caminhos para seguir:

Investidor com mais de R$ 1 milhão

Se você tem mais de R$ 1 milhão aplicado em investimentos financeiros, pode se tornar um investidor qualificado. Para isso, deve solicitar, em sua corretora ou banco, o Termo de Investidor Qualificado para preencher e confirmar sua condição antes da aquisição do ativo financeiro que exija tal classificação.

Nesse atestado, o investidor declara não apenas que possui um montante acima desse valor aplicado, mas também que possui o conhecimento necessário para aplicações mais restritas, com grau de complexidade de riscos que é mais elevado.

Investidor aprovado em exame de qualificação técnica

Se você não possui R$ 1 milhão aplicado e mesmo assim deseja se tornar um investidor qualificado, a fim de obter acesso a investimentos mais restritos, deve passar em uma prova técnica.

Esses exames de qualificação técnica são bastante rigorosos e exigem largo conhecimento do sistema financeiro, para garantir que o investidor não acesse aplicações cujos riscos não domina.

Entre os conteúdos, o investidor encontra temas como legislação de finanças e investimentos, detalhes sobre a classificação de fundos de investimento, formas de proteção do capital (hedge), derivativos, noções de economia e regulamentações aplicáveis.

Se você quer prestar esse exame, deve considerar a possibilidade de fazer um curso avançado, já que o preço da prova costuma ser elevado.

Entre as provas que você pode fazer estão:

  • CEA – Certificação de Especialista em Investimentos ANBIMA
  • CGA – Certificação de Gestores ANBIMA
  • CFP – Certified Financial Planner – Planejador Financeiro
  • CFA III – Chartered Financial Analyst
  • Agente Autônomo de Investimentos – Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias
  • CNPI -Analista de Valores Mobiliários

O que é um investidor profissional?

O investidor profissional é a pessoa física ou jurídica que possui mais de R$ 10.000.000,00 (dez milhões) de reais em investimentos aplicados no mercado financeiro e que ateste essa condição por escrito.

Também são considerados investidores profissionais:

  • Instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil
  • Companhias seguradoras e sociedades de capitalização
  • Entidades abertas e fechadas de Previdência complementar
  • Fundos de investimento
  • Clubes de investimento, desde que tenham a carteira gerida por administrador de carteira de valores mobiliários autorizado pela CVM
  • Agentes autônomos de investimento, em relação a seus recursos próprios
  • Administradores de carteira, em relação a seus recursos próprios
  • Analistas e consultores de valores mobiliários autorizados pela CVM, em relação a seus recursos próprios
  • Investidores não residentes.
  • Esse é o tipo de investidor que tem acesso a qualquer investimento financeiro disponível no Brasil.
  • Ele pode aplicar em quaisquer fundos de investimento, mesmo aqueles com a maior parte de seu patrimônio no exterior.

Qual a diferença entre um investimento qualificado e um investidor profissional?

  • A principal diferença entre um investidor qualificado e um investidor profissional é que o primeiro precisa ter mais de R$ 1 milhão aplicado enquanto o segundo deve possuir mais de R$ 10 milhões investidos no mercado financeiro.
  • Essa categorização permite que a Comissão de Valores Mobiliários restrinja o acesso a certos investimentos que exigem maior capital e maior conhecimento.
  • Quem não possui R$ 10 milhões investidos, pode se tornar um investidor qualificado se for:
  • Agente Autônomo de Investimentos autorizado pela CVM (Ancord)
  • Administrador de carteira autorizado pela CVM (CGA ou CFA III)
  • Analista autorizado pela CVM (CNPI)
  • Consultor autorizado pela CVM (CNPI, CGA, CEA ou CFP)

Por que se tornar um investidor qualificado ou profissional

A intenção de quem busca se tornar um investidor qualificado ou profissional é ampliar seu acesso a investimentos mais restritos, como fundos com alto volume aplicado no exterior, que são vedados ao investidor comum.

Para quem entende do assunto, esse tipo de aplicação oferece mais riscos, mas também um potencial maior de retornos, dependendo do cenário macroeconômico e da conjuntura dos papéis investidos.

Fundo Garantidor de Crédito (FGC)

Esse fundo é responsável por bancar o saldo de diferentes aplicações de renda fixa em caso de quebra do banco, dentro de um limite de R$ 250 mil por CPF por conglomerado financeiro.

Um detalhe importante é que o investidor qualificado ou profissional não tem acesso à proteção oferecida pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Conclusão

Um dos papéis da CVM, como reguladora, é proteger o investidor de suas próprias ações, pois muitos investidores comuns, por falta de orientações, acabam tomando decisões que podem prejudicar toda sua saúde financeira. A classificação do investidor QUALIFICADO ou PROFISSIONAL é de grande importância para orientar ou restringir o acesso a certos tipos de aplicações de maiores riscos ou mais complexas.

Abrir bate-papo
Escanear o código
Olá
Podemos ajudá-lo?